sexta-feira, 26 de maio de 2017

Cuidados com a pele do pet no inverno

CUIDADOS COM A PELE DO CÃO ALÉRGICO NO INVERNO

Nas estações de frio também devemos nos atentar com a saúde da pele de nossos pets pois aqueles com maior predisposição à pele seca tendem a ressecar mais a pele, e consequentemente desenvolver dermatites.

Algumas causas de ressecamento no inverno: 

- Uso de roupinhas por longos períodos;
- Nós ocasionados por roupinhas;
- Redução de higiene e de cuidados tópicos devido ao frio para banhá-los ou aplicar produtos;
- Redução dos exercícios físicos. Ficam muito tempo na caminha, em seu ambiente interno , dormindo , Consequentemente aumentam o peso;
-Banhos muito quentes, secadores muito quentes;
-Frequência de banhos inadequada para o pet em questão
Dicas para evitar o ressecamento :
-A freqüência de banhos e tosas do seu pet modifica na estação fria.
Converse com o vet de seu pet para saber qual a indicação ideal para ele
- Agende o banho para dias mais ensolarados e não úmidos Embora frio, tenha cuidado com a temperatura da água. Nem muito quente , nem muito fria.

Lembre que cães toleram o frio um pouco mais que humanos; Secá-lo com toalhas macias e secador. Este em temperatura morna agradável mantendo-o longe do olhos e da pele do pet.
- Continue a rotina de passeios e exercícios. Prefira horários não tão frios para passear ;
- Continue com a rotina de higiene de panos, roupinha e camas de seu pet , com produtos adequados
- Pode usar roupinha, porém evite textura de lã, e não a deixe em seu pet por longos períodos .
Dica : Prefira tecidos hipoalergênicos e/ou edredons ,e texturas de fácil limpeza
Muitos cães gostam de dormir em “tocas”, caminhas tipo Iglu. Esse tipo de cama é interessante pois o pet fica bem abrigado , e não necessariamente há necessidade de muitos panos e roupinha.
Reserve a roupinha para horários extremamente frios, momentos em que seu pet se deparará com uma mudança repentina de temperatura ( ex, saída do banho e tosa, hora do passeio) ;
Mantenha a casa mais aquecida para não ter que usar muito a roupinha .
- Escove a pelagem com freqüência, pois devido as roupinhas, nós podem se formar no corpo do animal ;
-Evite contato direto e/ou muito aproximado com aquecedores, lareiras... Além de ressecar pode gerar queimaduras no seu pet
- Continue com as aplicações do Spray ou Loções hidratantes indicados pelo veterinário .
Muitas vezes estes são soluções aquosas, e daí não tão frequentemente aplicados pelo proprietário na estação fria, mas é extremamente importante a continuação das aplicações.
Dica: Aplique o hidratante num ambiente mais quentinho da casa
Use com abundância após o banho, com a pele ainda úmida.

O vaporzinho do banheiro auxiliará na penetração da solução hidratante no corpo do animal.
Dias em que não vai tomar banho, pode utilizá-la com auxílio de gaze
Poderá também obter a fórmula hidratante em apresentações diferentes , como cremes, géis ou lenços umedecidos. (converse com o veterinário)
Utilize o hidratante nas áreas de maior ressecamentos e dobras.
Faça uso da solução hidratante como um “Banho a Seco” de seu pet.
Como o intervalo de banhos é espassado, a solução pode servir para a higiene e hidratação de seu pet, sem necessitar que o molhe por completo

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Pode tosar animais no verão?



Tosar ou não tosar no verão??


Há muito polêmica nesse assunto. Tenho lido diversos posts discutindo essa questão. Discussões “8 ou 80” . Deixar animais completamente pelados , ou não tosar nada. Discussões generalistas (generalizando todos os tipos de pelagem), confundindo as pessoas.


Nessa época de calor intenso é comum observar seus animais deitados no piso frio, ofegantes e com a língua toda para fora. E existe essa dúvida se a tosa alivia o calor de fato e/ou se pode prejudicar o animal. É certo que nessa época deve-se redobrar os cuidados em relação ao calor.


Em relação a pele e pelagem :


A pelagem atua como um isolante térmico e evita que o animal perca ou receba calor em excesso. Diferente dos humanos, cães e gatos não têm glândulas sudoríparas, que produzem suor para regular a temperatura corporal, sendo assim, a troca de calor deles é feita na respiração e nos coxins (almofadinhas das patas).


A pele é a barreira física entre o meio externo e o organismo evitando injúrias constantes(físicas, químicas e microbiológicas).Essa barreira é capaz de evitar a perda transepidérmica de água do meio interno, mantendo a hidratação do corpo. Outras funções incluem: regulação térmica, percepção sensorial, ação antimicrobiana(por peptídeos antimicrobianos),e indicador de doenças( externas e internas),...




Alguns cuidados básicos podem ser adotados no dia a dia para aumentar a sensação de conforto térmico do animal. Banhos e hidratações mais frequentes e remoção dos pelos mortos afim de arejar a pele são medidas que ajudam a manter a saúde e a beleza da pele e pelagem.






E a tosa? Sim ou não


Pelo que discutimos entre dermatológos nos últimos dias e através de estudos sobre essa questão, conclui-se que a indicação de TOSAR OU NÃO É BEM INDVIDUAL


O veterinário deve avaliar a necessidade real para cada animal levando em conta a raça, a origem dessa raça, ou mesmo as características dos SRD, ambiente em que vive e a que ele se expõe , se ele tem ou enfrenta algum problema de pele...


Na minha opinião, a tosa mais baixa não é necessária e pode sim causar injurias sobre a pele ,como por exemplo: exposição maior ao sol, falta de proteção da pele, e irritações mecânicas pela lâminas em peles mais sensíveis e/ou ressecadas. Animais de pelagem curta e animais de subpelos ou raças nórdicas é contra indicado ( alopecia pós tosa nestes é uma dermatopatia que pode ser desencadeada)


Mas para os de pelagem longa , que vivem em regiões que não são as de sua origem ( por exemplo, animais do frio em regiões tropicais) , há tosas e escovações que diminuem apenas o volume da pelagem e removem pelos mortos, sem prejudicar a proteção da pele, neste período de intenso calor. Pelo ao contrário, haverá beneficio no sentido de controle de ectoparasitas , e auxilio na penetração de produtos terapêuticos, como por exemplo , hidratantes para os alérgicos. Como foi falado em relação a “percepção sensorial” da pele , há nitidamente um conforto maior pelo animal com a pelagem um pouco mais baixa no período de calor. Por isso que muitos relatam a melhora do estado geral do animal quando realizada a tosa.






Então, nem ”8 nem 80”. Converse com seu veterinário para saber a real inidcação de manejo com a pelagem do seu animal nessa época






Outros cuidados


No verão também é importante oferecer, sempre, água fresca ao pet, evitar passeios em horários de calor intenso e não deixá-los sobre pisos muito quentes, uma vez que as patinhas podem queimar se o pet caminhar em calçadas e ruas superaquecidas pelo sol de verão.


Nunca expô-lo ao sol, e aplicar filtro solar diariamente!






Dra . Andrea F. Nagelstein


Médica dermatóloga de cães e gatos


www.pelepet.blogspot.com


sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Preparo para consulta com o Dermatologista Veterinário

DICAS VALIOSAS PARA UMA BOA CONSULTA!


- AGENDE A CONSULTA PARA UM MOMENTO QUE 
VOCÊ DISPONIBILIZA DE TEMPO. A CONSULTA É DEMORADA.;

    - A PESSOA QUE LEVARÁ O PACIENTE AO CONSULTÓRIO 
DEVE SER AQUELA QUE SABE MAIS A RESPEITO DA HISTÓRIA CLÍNICA E ROTINA DELE;

 - NÃO BANHE E NEM APLIQUE NENHUM PRODUTO NA PELE DO PACIENTE, 
PELO MENOS 7 DIAS ANTES DA CONSULTA.
 ISSO OTIMIZARÁ A COLETA DE MATERIAL PARA EXAME 
JÁ NO PRIMEIRO DIA DA CONSULTA;

- NÃO LEVE CRIANÇAS OU OUTRO ANIMAL NA HORA DA CONSULTA DO PACIENTE
 PARA NÃO GERAR NENHUM TIPO DE ANSIEDADE POR ALGUMA DAS PARTES;

 - SE POSSUIR , LEVE RECEITAS E LAUDOS DE EXAMES ANTERIORES

Dra. Andrea F. Nagelstein
Médica Veterinária dermatóloga de cães e gatos
Fone : 51 9981 11689

sábado, 23 de julho de 2016

AVISO

Não haverá atendimento dermatológico entre os dias 27-30 de julho.
Estarei em Congresso para trazer novidades para nossos  bichinhos dermatopatas.
Abraço
Vet Andrea

terça-feira, 14 de junho de 2016

CUIDADOS COM A PELE DO CÃO ALÉRGICO NO INVERNO

Nas estações de frio também devemos nos atentar com a saúde da pele de nossos pets pois aqueles com maior predisposição à pele seca tendem a ressecar mais a pele, e consequentemente desenvolver dermatites.

Algumas causas de ressecamento no inverno: 


- Uso de roupinhas por longos períodos;
- Nós ocasionados por roupinhas;
- Redução de higiene e de cuidados tópicos devido ao frio para banhá-los ou aplicar produtos;
- Redução dos exercícios físicos. Ficam muito tempo na caminha, em seu ambiente interno , dormindo , Consequentemente aumentam o peso;
-Banhos muito quentes, secadores muito quentes;
-Frequência de banhos inadequada para o pet em questão
Dicas para evitar o ressecamento :
-A freqüência de banhos e tosas do seu pet modifica na estação fria.
Converse com o vet de seu pet para saber qual a indicação ideal para ele
- Agende o banho para dias mais ensolarados e não úmidos Embora frio, tenha cuidado com a temperatura da água. Nem muito quente , nem muito fria.


Lembre que cães toleram o frio um pouco mais que humanos; Secá-lo com toalhas macias e secador. Este em temperatura morna agradável mantendo-o longe do olhos e da pele do pet.


- Continue a rotina de passeios e exercícios. Prefira horários não tão frios para passear ;


- Continue com a rotina de higiene de panos, roupinha e camas de seu pet , com produtos adequados


- Pode usar roupinha, porém evite textura de lã, e não a deixe em seu pet por longos períodos .


Dica : Prefira tecidos hipoalergênicos e/ou edredons ,e texturas de fácil limpeza


Muitos cães gostam de dormir em “tocas”, caminhas tipo Iglu. Esse tipo de cama é interessante pois o pet fica bem abrigado , e não necessariamente há necessidade de muitos panos e roupinha.


Reserve a roupinha para horários extremamente frios, momentos em que seu pet se deparará com uma mudança repentina de temperatura ( ex, saída do banho e tosa, hora do passeio) ;


Mantenha a casa mais aquecida para não ter que usar muito a roupinha .


- Escove a pelagem com freqüência, pois devido as roupinhas, nós podem se formar no corpo do animal ;


-Evite contato direto e/ou muito aproximado com aquecedores, lareiras... Além de ressecar pode gerar queimaduras no seu pet


- Continue com as aplicações do Spray ou Loções hidratantes indicados pelo veterinário .


Muitas vezes estes são soluções aquosas, e daí não tão frequentemente aplicados pelo proprietário na estação fria, mas é extremamente importante a continuação das aplicações.



Dica: Aplique o hidratante num ambiente mais quentinho da casa


Use com abundância após o banho, com a pele ainda úmida.


O vaporzinho do banheiro auxiliará na penetração da solução hidratante no corpo do animal.


Dias em que não vai tomar banho, pode utilizá-la com auxílio de gaze


Poderá também obter a fórmula hidratante em apresentações diferentes , como cremes, géis ou lenços umedecidos. (converse com o veterinário)


Utilize o hidratante nas áreas de maior ressecamentos e dobras.


Faça uso da solução hidratante como um “Banho a Seco” de seu pet.
Como o intervalo de banhos é espassado, a solução pode servir para a higiene e hidratação de seu pet, sem necessitar que o molhe por completo


FICA A DICA:)
Dra. Andrea Fermann Nagelstein- Pele Pet Dermatologia Veterinária

domingo, 22 de maio de 2016

Exames dermatológicos realizados no Serviço PELE PET

RASPADOS DE PELE, A PROCURA DE ÁCAROS CAUSADORES DE SARNAS


Lampada de Wood




CULTIVO FÚNGICO E ATIFUNGIOGRAMA





Microscopia: exames diretos, Tricograma , citologia do cerúmen otológico e citologia de pele 





Tricograma : presença de ectoparasitas. Também possibilita observação da estrutura do pelo e doenças genéticas do pelo




Citologia da pele 




Video Otoscopia




Biopsias Incisionais e Excisionais para exames Dermatohistopatológico


Testes de Alergias: Testes Intradérmicos e Sorológicos para a confecção de Vacinas dessensibilizantes


Outros: Cultura bacteriana e antibiograma
Exames sanguíneos gerais
Dosagens hormonais
 














quarta-feira, 2 de março de 2016

HIDRATAÇÃO É TUDO!!

UM EXCELENTE COMPOSTO É AQUELE QUE CONSEGUE UNIR NUMA MESMA FORMULAÇÃO COMPONENTES hidratantes+ umectantes + emolientES

Entendendo a pele e os princípios para beneficio da pele ressecada

A quantidade de água na pele é reduzida naturalmente com o aumento da idade e em pacientes atópicos, nos quais a quantidade de NMF ( FATORES DE HIDRATAÇÃO NATURAL) produzida são deficientes,  fazendo com que a pele se torne mais seca e menos hidratada. Outros fatores como exposição ao sol e  uso de detergentes ou solventes de alguns shampoos também levam a pele predisposta a ressecar mais.
 De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), uma substância emoliente amacia e suaviza a pele, a hidratante é aquela que aumenta o teor de água da pele e ajuda a mantê-la macia e a umectante mantém e retém a umidade.
Entenda melhor as diferenças:
Emolientes
São substâncias como óleos ou lipídios, que têm finalidade de suavizar, amaciar ou tornar a pele mais flexível. Os emolientes diminuem a perda transepidermal de água e mantêm o nível adequado de umidade no estrato córneo, permitindo flexibilidade cutânea.
A presença de umidade no interior das células córneas mantém a maciez e a elasticidade da pele jovem e sadia. O envelhecimento e as agressões ambientais colaboram na redução da capacidade de retenção de água da pele, tornando-a seca e rugosa. Em geral, os cremes possuem pelo menos um emoliente em sua composição. São dados pelos óleos vegetais, ácidos graxos (ômega 6 e 3) e lipídios não gordurosos que espalham facilmente na pele, conferindo-a uma textura de maciez e flexibilidade.
Umectantes
São substâncias que contêm água em sua formulação e, quando aplicadas na pele, criam uma camada protetora, que protege a pele de perder água para a atmosfera, mantendo-a umedecida.  Essas substâncias não permeiam no estrato córneo, elas formam um filme hidrofílico sobre a pele, retendo água na superfície da camada córnea. Hidrolisados de proteína animal ou vegetal são usados como umectantes nos cremes.
Dentre eles destacam-se também a glicerina, D-pantenol, ácido hialurônico, óleos e extratos vegetais. Os óleos vegetais são os melhores agentes umectantes, pois eles repõem o filme hidrofílico da pele mantendo a água na superfície da camada, deixando-a hidratada. O ácido hialurônico é uma substância encontrada na pele e atua preenchendo os espaços entre as células, deixando a pele com um aspecto liso e bem hidratado. A concentração desse ácido diminui conforme a idade, sendo um dos motivos de aparecimento de rugas e de ressecamento. A adição desse composto nos cremes ajuda tanto na hidratação, já que ele retém água na pele - um grama de ácido consegue reter três gramas de água - quanto a suavizar rugas e marcas de envelhecimento.
Hidratantes
Diferentemente dos umectantes e emolientes, os agentes hidratantes conseguem permear na camada córnea, ligando-se às moléculas de água, retendo-as em toda sua extensão não somente superficialmente. Uma das substâncias hidratantes mais utilizadas na cosmética é a ureia. Presente no NMF, ela tem alta capacidade de se ligar à água ao longo da camada córnea, proporcionando a hidratação da pele.
A queratina (composta na camada córnea) liga-se mais à água na presença de ureia, deixando a pele mais hidratada. Esse fato torna a ureia um verdadeiro hidratante e não um umectante que ligaria a água apenas na superfície da pele. O NMF também é composto de aminoácidos como a arginina, que tem grande afinidade com moléculas de água. Quando associada à ureia, o efeito de ligação é potencializado aumentando o conteúdo de água na camada córnea, proporcionando assim um grande efeito de hidratação. No entanto, a Anvisa estabelece uma concentração máxima de 3% de ureia nos produtos com finalidade cosmética (acima disso pode causar irritação)


terça-feira, 14 de abril de 2015

PELE PET: Ômegas 6 e 3



PELE PET: Ômegas 6 e 3: Ômegas 6 e 3
Muitos estudos recentes tem mostrado que tantos os ácidos graxos ômega -6 (ácido Linoleico) quanto os ômegas - 3 (ácidos Linolenicos) são essenciais.


Alimentos ricos em ômega 3:

São consumidos como:

EPA( ácido Eicosapentanóico) e DHA( ácido docosahexanóico)
Fonte animal: peixes gordos (atum, anchova, carpa, arenque, salmão e sardinha), sementes e óleo de canola,

LNA (ácido alfa-linolenico)
Fonte vegetal: sementes e óleo de linhaça, nozes, etc.

Os cães não possuem enzimas para sintetizar os Ômegas-3.
Por esse motivo dependem da suplementação adequada para atender suas necessidades, e estar em boa relação com os Ômegas-6 para que se tenham benefícios nessa ingestão



Alimentos ricos em ômega 6:

São consumidos na forma de ácido linoléico (LA)
Fonte: óleos vegetais (milho e canola), soja, girassol, sementes e oleaginosas
(nozes, castanhas), nas carnes vermelhas e laticínios etc.

A alimentação dos animais com alimento industrializado tem alta concentração de Ômegas-6 pois grande parte da fonte protéica provém de frango, bovino, e vísceras.


Hoje os Ômegas-3 atuam positivamente no câncer, na inflamação, nas articulações, no sistema vascular e circulatório (para animais idosos, por exemplo) ,no sistema renal, na gestação, e no sistema tegumentar( pele e pelos) .

Alguns relatos foi suposto que deve ter um equilíbrio na proporção de ômega-3 e ômega-6 ingeridos. É muito difícil ter uma precisão , mas que o  o ideal é chegar a uma proporção de cinco a dez partes de ômega 6 para uma parte de ômega 3.

 Ômegas 6 e 3
5:1 a 10:1

Ou seja, o Ômega-6  5 a 10 vezes superior ao Ômega-3!!


Existem muitos produtos a base de ômegas no mercado pet, mas é muito importante pedir orientação ao Médico veterinário que avaliará qual o mellhor produto para seu pet, qual a  fonte de ômega utilizará  .A opção dependerá de fatores clínicos individuais de seu animal

quinta-feira, 5 de março de 2015

DIAGNÓSTICO DE DERMATITE ATÓPICA EM CÃES

DIAGNOSTICO DE DERMATITE ATÓPICA
O diagnóstico da Dermatite Atópica é baseado no histórico e apresentação clínica do paciente. Então , o diagnóstico é totalmente CLÍNICO E NÃO através dos “TESTES DE ALERGIA” ( INTRADERMICOS OU SOROLÓGICOS), como muitas pessoas acreditam .
O DIAGNÓSTICO SE BASEIA NA PRESENÇA dos critérios de FAVROT(2010). Vide imagem
Muitos proprietários procuram os testes para obter um diagnóstico preciso para explicar a coceira de seu cão e/ou gato.
É preciso entender que a Dermatite Atópica é multifatorial , e não se pode observa-la e tentar corrigir apenas o(s) alérgenos que reagem na pele do animal, ignorando a questão de barreira cutânea defeituosa e todas as doenças que concomitam ou exacerbam seu status pruriginoso.
Os Testes de Alergias , sendo eles os Testes de intradermorreações ou os Sorológicos(pelo sangue) são ferramentas utilizadas para auxiliar no controle da Atopia, quando apartir da resposta desses testes são formuladas as VACINAS com alérgenos que mais causam reação na pele do indivíduo testado no intuito de hipo ou dessensibilizá-lo frente estes alérgenos.
Resolvi escrever esse tópico pois muitos proprietários se frustam quando resultados do testes apontam para gramas ou ácaros ambientais , e que mesmo com a formulação das vacinas , e a hipossensibilização do animal frente as estes alérgenos, tão difíceis de evitar que o pet se depare, continuam se coçando ( como foi falando n fatores exacerbam essa doença não podendo se fixar apenas no resultado do Teste).
  É necessário a consciência que os Testes e as Vacinas apenas são AUXILIARES na caminhada pelo controle do animal.


quarta-feira, 4 de março de 2015

VACINAS


domingo, 4 de janeiro de 2015

OBRIGADA PELA CONFIANÇA

Quero agradecer de coração a todos proprietários e colegas de profissão que confiaram no serviço PELE PET- Dermatologia veterinária em 2014, este ativo há 4 anos. 
O ano já começou com força total! Novas atualizações e cursos para aprimorar cada vez mais e deixar nossos fofinhos com saúde em dia e a pele saudável ♡♡

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

CONTROLE AMBIENTAL DE ÁCAROS DA POEIRA DOMÉSTICA


DICA CASEIRA PARA ELIMINAR ÁCAROS INTRA DOMICILIARES!!!!!!!!
MUITOS MÉDICOS ALERGISTAS HUMANOS INDICAM ESSA FÓRMULA:

- Misture 200 ml de vinagre de vinho branco em 4 litros de água
*Essa receita pode reduzir em 87% o número de ácaros.

Pode utilizar uma escova ou pano em persianas, sofás, cortinas e carpetes, E
 Rôdo e pano para aplicação no parquet

Ótimo para nós e para os caezinhos atópicos

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

BIOPSIAS EM CÃES E GATOS

BIOPSIAS CUTÂNEAS
As dermatopatias possuem grande importância na clinica e patologia veterinárias,
primeiro por serem facilmente reconhecidas pelo proprietário, constituindo, desta forma,
na maior parte dos atendimentos no Consultório veterinário
O exame histopatológico ocupa lugar de destaque no diagnóstico dermatopatológico.
A biopsia cutânea apresenta uma enormidade de padrões de lesões microscópicas, que
quando combinadas permitem estabelecer diagnósticos e prognósticos que auxiliam o
clínico veterinário em importantes condutas terapêuticas.
Entretanto para que esta excelente ferramenta de diagnóstico forneça estas condições,
são necessários certos cuidados a serem considerados: escolha do local a ser biopsiado;
sobre o método cirúrgico para a biópsia utilizado e da manipulação correta do material
coletado. E finalmente sobre a importância da comunicação entre o clínico e o
patologista..

Método de biopsia:
EXCISIONAL
Biópsia excisional é quando toda lesão é retirada. Nas lesões benignas é sempre curativa, podendo ser também nas lesões malignas, quando realizadas com margem de segurança, na ausência de metástases.
INCISIONAL
Somente parte da lesão é removida. Indicada nas lesões extensas, em que a retirada não é possível tecnicamente ou não é desejável, nem necessária. Nunca é curativa.
A incisão é realizada com um bisturi de maneira elíptica, ou através de um punch
#Incisão com o uso de bisturi
O importante na construção de um fuso é que suas margens tenham um ângulo no mínimo inferior a 45 graus. O ideal seria 30 graus para um melhor fechamento e resultado estético
#PUNCH
Instrumento cirúrgico mais utilizado pelos dermatologistas em biópsias incisionais. È um pequeno tubo metálico com extremidade cortante. A borda cortante do punch é circular e fabricada em diâmetros que variam de 1 mm a 1 cm. A técnica consiste em simples movimento de rotação, pressionando e introduzindo o instrumento até a profundidade desejada, e seccionando a base.

É um procedimento fácil e rápido, sendo necessário apena o uso de anestésico local (Lidocaína) e o paciente levará apenas um ou dois pontos de sutura no local em que a biópsia foi realizada.

Dra. Andrea F. Nagelstein










segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Filagrina e seu envolvimento na Dermatite atópica

http://www.fondation-dermatite-atopique.org/sites/default/files/texte_fillagrine-molecule-remarquable.pdf

Primavera e alergias em cães e gatos!

ALERGIA X PRIMAVERA

Com a chegada da primavera, os passeios com os animais de estimação se tornam mais freqüentes. Com isso, os cuidados devem ser ainda maiores por causa da alergia ao pólen das plantas.

O principal sinal clínico do animal será o prurido. A porta de entrada do alérgeno no cão suscetível será a pele. As reações alérgicas geralmente se manifestam como coceiras persistentes, principalmente em patas e face.
Nos felinos,é o trato respiratório o mais afetado diante da polinização. Asma e rinites são conseqüências da exposição.

O tratamento vai depender do grau de alergia do pet.
Existe, ainda, um consenso de que as alergias podem ser controladas, mas não prevenidas. O melhor controle é evitar o contato do animal com os alérgenos o que nem sempre é possível no caso do pólen.

Imunoterapia com o uso de vacinas contra pólen pode ser preconizada se este for o alérgeno causador, afim de reduzir os sinais clínicos apresentados pelo animal.


Algumas dicas para controle:
Banhos e escovações regulares na tentativa de minimizar o contacto do animal com os alérgenos que caem sob sua pelagem
Aspire e lave regularmente as camas.
Quando levar o seu animal para zonas de campo, praças e parques , ao retornar para casa , limpe suas patas com lenços umedecidos afim de retirar resíduos de pólen de suas patinhas. Tente manter o seu animal ao amanhecer e anoitecer em casa.
Mantenha a pele e pelagem do seu animal de estimação sempre bem hidratada. Uma pele mais hidratada e com mais oleosidade é como uma barreira frente aos alérgenos ambientes pois estes terão mais dificuldade de adentrarem pela pele e causar reação alérgica.
Evite a ingestão e contacto com flores, se possível. Além do que muitas plantas são tóxicas para os cães e gatos. Tome cuidados com os fertilizantes muito utilizados nesta época do ano. Estes possuem substâncias químicas e tóxicas e a sua ingestão poderá causar intoxicação e morte do animal.
Dra. Andrea Fermann Nagelstein


VIDEO Otoscopia para animais

Vídeo Otoscópio!!
Mais um complemento para o meu serviço dermatológico

Método não invasivo e preciso para avaliação do conduto auditivo externo e membrana timpânica. Útil no diagnóstico e prognóstico das desordens auriculares.
Através da observação da membrana timpânica possibilita a escolha do melhor fármaco tópico a ser aplicado no conduto.
Acoplado ao computador , permite fotografar, gravar e melhor elucidar o proprietário sobre a anatomia do conduto, manejo e desordem que está acometendo o seu pet.
P.S: para uma melhor avaliação da membrana timpânica o animal deve ser sedado

Dra. Andrea F. Nagelstein


sexta-feira, 15 de agosto de 2014

PELE PET: PROBIÓTICOS NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS ALÉRGICAS?

PELE PET: PROBIÓTICOS NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS ALÉRGICAS?

A Dermatologia Veterinária

Assim como na Medicina humana , a Medicina veterinária já conta com profissionais especializados em áreas específicas!!
Isso é uma grande avanço e aumenta a qualidade de atendimento aos nossos mascotes.
Nesse contexto surge o Dermatologista Veterinário que proporciona um atendimento mais direcionado à saúde cutânea do seu animal de estimação.
A Dermatologia veterinária é um campo muito complexo dentro da Medicina Veterinária. Existem inúmeras dermatopatias com causas e agentes diversos, além de fatores individuais, perpetuantes e intensificadores da doenças. Um trabalho investigativo e minucioso deve ser requisitado.

Hoje, a principal queixa trazida pelos proprietários às clínicas veterinárias são as doenças dermatológicas. E com os novos tempos, a incidência das dermatopatias tem aumentado cada vez mais.
SEU PET ESTÁ MANIFESTANDO ALGUM PROBLEMA NA PELE?? QUE TAL PROCURAR O MÉDICO VETERINÁRIO ESPECIALIZADO EM DERMATOLOGIA?

Dra. Andrea F. Nagelstein- Médica veterinária e dermatóloga   FONE 51 9811 1689
www.pelepet.blogspot.com 

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

DICA DE VET AMIGO!!





QUERIDOS SEGUIDORES E PROPRIETÁRIOS DE CÃES E GATOS:

ISSO É BEM IMPORTANTE !!!

CADA DOENÇA POSSUI SINAIS CLÍNICOS TÍPICOS. ALGUMAS PODEM SER ATÍPICAS.
MAS CADA INDIVÍDUO RESPONDE DE UMA MANEIRA FRENTE A DOENÇA, FRENTE AO USO DE MEDICAMENTOS. A SEVERIDADE DA DOENÇA PODE SER MAIS BRANDA OU MAIS SEVERA, AGENTES COMPLICADORES E  INTENSIFICADORES PODEM ESTAR PRESENTES OU NÃO, DOENÇAS CONCOMITANTES PODEM OU NÃO ESTAREM ASSOCIADAS....

O QUE QUERO DIZER.....

NÃO EXISTE UMA "RECEITA DE BOLO" PARA O TRATAMENTO DO SEU ANIMAL.
CADA CASO É UM CASO!!!
ENTÃO , NÃO INICIEM TRATAMENTO POR CONTA , OU MEDICAMENTOS QUE "FULANINHO" USOU , E FICOU BÃO, QUE "BELTRANO" FEZ E DEU CERTO..... ISSO PODE NÃO TER UM BOM RESULTADO, OU NEM FAZER EFEITO,E PELO AO CONTRÁRIO , PODEM SER DANOSOS!!

E TAMBÉM NÃO ACEITE INDICAÇÃO DE MEDICAMENTOS PELO VENDEDOR/BALCONISTA/ESTETICISTA. INFELIZMENTE ESTES PROFISSIONAIS POR MAIS QUE ENTENDAM DE MANEJO, COMPORTAMENTO, E GOSTEM DE ANIMAIS NÃO FORAM CAPACITADOS PARA TAIS INDICAÇÕES , E MUITO MENOS POSSUEM CAPACIDADE DE DIAGNÓSTICO.
MUITAS PESSOAS ACREDITAM  QUE SIM, QUE ESTES PROFISSIONAIS SABEM POIS TRABALHAM EM PET SHOP, E SENDO ASSIM PREFEREM POUPAR O VALOR DE UMA CONSULTA VETERINÁRIA .......PROVAVELMENTE JÁ OUVIRAM FALAR NO BARATO QUE SAI CARO, NÃO É MESMO?

SERÁ QUE ESSA PESSOA QUE ESTÁ TENTANDO "AJUDAR" SEU PET, INDICANDO UM PRODUTO, NÃO ESTÁ QUERENDO APENAS TE VENDER ALGO ??
LEMBRE-SE DO "BARATO QUE SAI CARO".

POR ISSO, PEÇA SEMPRE ORIENTAÇÃO AO VETERINÁRIO DE SUA CONFIANÇA. NÃO EXITE EM CONSULTÁ-LO SEMPRE QUE NECESSÁRIO!!!
NÃO COLOQUE  EM RISCO SEU ANIMAL DE ESTIMAÇÃO

Dra. ANDREA FERMANN NAGELSTEIN

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

ALOPECIA POR DILUIÇÃO DA COR


 ALOPECIA POR DILUIÇÃO DA COR( ADC)
O que para muitos parece um cão exótico, o chamado "cão azul" cursa com uma patologia cutânea hereditária. 
Pasmem! O Teckel da foto tinha a pelagem castanha! 
Nessa doença há acúmulos de melanossomas nos melanócitos e deficiência na transferencia de melanina para os queratinócitos adjacentes ( incontinência pigmentar)
Para entender.. Os pelos que apresentam acumulo muito irregular de melanina, são mais suscetíveis à fraturas e se quebram, gerando a                                                                                         Alopecia. Na tricografia ( foto abaixo) é possivel                                                                                         visualizar o acúmulo de melanina.
                                                                                    É possível tratar essa genodermatose.



Dra. Andrea Fermann Nagelstein

COMENTÁRIOS E ELOGIOS SOBRE O BLOG

Olá Doutora, fiquei muito feliz em encontrar alguém que esclareça nossas dúvidas . Anônimo Olá! achei suas explicações bem esclare...